Notícias

Perda auditiva

Milhões de pessoas no mundo experimentam algum grau de perda auditiva.

Passamos a escutar menos por determinação genética, que penaliza nossa circulação periférica. Nossos cabelos ficam brancos, nossa pele se modifica e os ouvidos, que também são periféricos, sofrem mais. Os sons agudos são os mais afetados, e este desequilíbrio na percepção das diferentes freqüências gera falha na discriminação da palavra. Ouvimos, mas não entendemos…

É comum o idoso se acomodar ou se conformar com esta situação, que o prejudica e aos seus familiares. Ele passa a se desinteressar pelos assuntos, criando um isolamento voluntário, um mundo próprio, um mundo à parte.

O exame físico otorrinolaringológico avalia causas externas como cerumem e descamações no conduto auditivo, e os exames audiométricos qualificam e quantificam uma possível perda auditiva. Esta informação posiciona melhor o paciente, que passa a se colocar em situações mais favoráveis à sua audição, e pode se beneficiar, caso não exista solução cirúrgica, dos novos aparelhos auditivos, os quais, por serem digitais, conseguem equilibrar as diferentes frequências de uma forma mais harmônica.

O controle da perda auditiva na terceira idade depende também do controle das alterações circulatórias e metabólicas, como hipertensão e diabetes.

 

Centro: Rua Debret, 23 / Salas 1216 e 217 Centro, Rio de Janeiro - RJ CEP 20030-080
Telefone: (21) 2544-2035 (21) 2544-2036
Copacabana: R. Barata Ribeiro, 391 - Sl. 909 Copacabana, Rio de Janeiro - RJ CEP 22040-001
Telefone: (21) 2236-3458 e 22354207
Site desenvolvido por: Magno Dal Magro e João Gabriel